20 anos de compromisso com a Caatinga

Apesar de dizermos “20 anos” essa história a muito vem sendo contada e construída. História essa, pautada no objetivo de promover a conservação e a valorização do bioma Caatinga, o único bioma exclusivamente brasileiro. Garantir todas as formas possíveis de vida nesse domínio é uma de nossas missões e empregamos esse objetivo em variadas ações de projetos. Apoio à criação de RPPNs, restauração florestal e recuperação de nascentes, disseminação de tecnologias sustentáveis para o povo sertanejo para uma melhor convivência com o sertão e o melhor uso dos recursos naturais. Desenvolvemos também ações de educação ambiental em escolas, capacitando educadores e a sociedade em geral, buscando sempre valorizar a Caatinga e promovendo ações de comunicação para tornar a Caatinga mais conhecida pelas suas riquezas do que sua escassez.

Tudo começou muito antes de 1998. No ano de 1935 aconteceu uma expedição com o nome “O espírito da Carnaúba” empreendida por Herbert Johnson. Um empreendedor estadunidense que estava em busca de uma nova cera de qualidade. E foi na cera de Carnaúba que ele prospectou essa nova matéria-prima. Então, 63 anos depois dessa primeira expedição, o filho de Herbert Johnson, Samuel Johnson decidiu fazer a mesma jornada que o pai fez até chegar em Fortaleza.

Samuel dedicou essa expedição a duas causas, primeiro ao pai, pelo espírito empreendedor e aventureiro e a carnaúba em forma de gratidão por tudo o que ela representava nos empreendimentos da empresa SC JOHNSON. Nessa mesma ocasião ele cria o Fundo de Conservação da Caatinga e a partir desse fundo a Associação Caatinga inicia sua jornada. Com esse recurso foi criado o primeiro projeto, o de implantação da Reserva Natural Serra das Almas (RNSA), que está localizada na divisa dos municípios de Crateús (CE) e Buriti dos Montes (PI) bem no centro do coração da Caatinga.

A Reserva é um verdadeiro santuário ecológico que possui mais de 6.000 mil hectares de Caatinga preservada onde, ao longo desses anos, se tornou referência de conservação e integração de projetos sociais com comunidades do entorno. Além disso, é uma referência para pesquisas científicas na Caatinga e um recurso para a educação ambiental muito importante. A unidade foi reconhecida em 2005 pela UNESCO como Posto Avançado da Reserva da Biosfera da Caatinga, se tornando a primeira Unidade de Conservação a receber esse título.

A partir do projeto Serra das Almas a AC construiu um modelo integrado para conservação da Caatinga unindo as prioridades de conservação com as prioridades de desenvolvimento local das comunidades. A RNSA virou referência na percepção do que é uma Caatinga preservada. A AC enxerga na criação de Unidades de Conservação uma grande oportunidade para promover o desenvolvimento harmônico entre o homem e o sertão. No decorrer desses anos foram várias experiências exitosas, lições e indicativos do rumo para onde devemos caminhar para uma conservação eficaz da Caatinga no futuro.

Essa foi a primeira grande conquista da Associação Caatinga. A partir disso,com novos parceiros, novos projetos a AC desenvolve uma série de atuações.

AC em números

Mais de 3.600 famílias em 45 comunidades rurais já foram impactadas com os trabalhos e atividades. Ao falarmos de distribuição de tecnologias sustentáveis, já foram distribuídas 19 composteiras, 190 coletores de resíduos sólidos, 155 cisterna de placas, 9 sistemas de bioágua em 8 comunidades, 138 fornos solares em 17 comunidades, 83 fogões ecoeficientes em 18 comunidades e mais de 89 meliponicultores capacitados e 198 colônias de abelha Jandaíra distribuídas em 16 comunidades, atualmente.

E os números só aumentam quando falamos dos trabalhos realizados pela equipe de educação ambiental da AC. Cerca de 523 professores capacitados em educação ambiental em 53 escolas envolvidas, 19.833 estudantes alcançados por ações de sensibilização e mais de 70 mil visitantes na Exposição Caatinga um Novo Olhar, onde disponibilizamos réplicas de animais da fauna Caatingueira.

Visibilidade Nacional

Entre outros projetos a Associação Caatinga foi a instituição que propôs o Tatu-bola como mascote da Copa do Mundo no Brasil e atualmente é coordenadora executiva do Plano de Ação Nacional (PAN) do Tatu-bola, através do qual tem desenvolvido uma série de ações voltadas para a conservação desta espécie e de seu habitat natural.

Áreas Protegidas

A AC tem compromisso firmado no fomento de criação de áreas protegidas no Estado do Ceará. Foram 24 RPPNs (das 36 existentes) e 13 planos de manejo que tiveram apoio da Associação. Quer saber o resultado disso tudo? São 15.837.81 hectares protegidos de Caatinga só no Estado do Ceará.

Tudo isso que a Associação tem feito devemos ao apoio e envolvimento de inúmeras instituições e parceiros que acreditam nesse trabalho e na importância de se preservar a Caatinga, esse bioma que podemos chamar de nosso. A Caatinga é nossa casa. E temos a certeza que essa luta de preservação cabe a qualquer pessoa que, independente de suas raízes, tem o coração quente como o nosso sertão. Essa história está apenas começando. Vem muito mais por aí.