O segundo encontro Diálogos da Carnaúba aconteceu na última sexta (31) e levou à Jaguaruana, que fica a 183 km de Fortaleza, uma produtiva discussão sobre as possíveis melhorias para a cadeia produtiva da Carnaúba. Em diversos momentos foi falado da importância dessa atividade extrativista, como comentou Edgar Gadelha, representante do SindCarnaúba, da Câmara Setorial da Carnaúba e da FIEC. “Essa é a nossa oportunidade de prestarmos atenção no que podemos fazer por essa matéria prima que só nós possuímos e que movimenta a economia não só do sertão, como do país”, explicou em sua fala.

Durante o evento, foram apresentados problemas na cadeia como a invasão da trepadeira cryptostegia madagascariensis, que sufoca carnaubais e é conhecida como viuvinha, unha-do-diabo ou unha-do-cão, a perda na produção, a falta de legislação específica para lidar com a atividade, que é sazonal, e a dificuldade em se transferir o conhecimento e a prática para novas gerações. 

Sobre as soluções, foram apresentados métodos de redução de desperdício, como o secador solar, que estava disponível para visitação e contamos também com a presença de uma representante do Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo (InPACTO), Mércia Consolação. Em sua participação Mércia exemplificou que é possível melhorar sim a rede de trabalho e apresentou trabalhos já feitos pela InPACTO. “Já atuamos na área têxtil e agora desenvolvemos ações no setor de produção de café. Os produtores conseguiram melhorar seus produtos, rastrear seus processos e oferecer melhorias trabalhistas aos envolvidos. Isso tudo pode sim ser aplicado na extração da cera da carnaúba”, completou.

 Ao final do evento, viu-se a necessidade de criar uma rede colaborativa entre todos que participam do processo para que o produto mantenha a qualidade e seja sustentável em toda a sua cadeia, tanto para a natureza, como para os trabalhadores envolvidos. Para finalizar o ciclo de reuniões ainda faltam mais dois encontros, o próximo acontecerá no dia 05 de maio, em Parnaíba – PI. 

© 2015 Associação Caatinga - Conheça e preserve o surpreendente mundo da Caatinga.