Manual de boas práticas da cadeia produtiva da cera de Carnaúba é aprovado em encontro no Museu da indústria

Foi validado no último dia 19 de outubro o Manual de Boas Práticas da cadeia produtiva da Carnaúba. Elaborado pela Associação Caatinga em parceria com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), GIZ e Ministério do Meio Ambiente da Alemanha, através do projeto “Ação do Setor Privado pela Biodiversidade”. O manual traz contribuições nas variadas instâncias para a qualificação de toda a cadeia de produção da cera de carnaúba.

O evento realizado no Museu da Indústria do Ceará foi composto por representantes da Câmara Setorial da Carnaúba, bem como industriais do setor produtivo, Ministérios do Meio Ambiente (MMA) do Brasil e Alemanha, sociedade civil organizada e entidades envolvidas com os segmentos de produção e refino da cera.

Um minuta de documento, produzido pela equipe da Associação Caatinga e especialistas convidados, foi disponibilizado para consulta pública entre os dias 11 e 21 de setembro, a fim de aprimorar pontos pertinentes antes do encontro de validação. A estrutura ficou estabelecida na seguinte divisão: informações gerais; contexto ambiental e social; legislação; e boas práticas e recomendações técnicas para a cadeia produtiva.

Durante a reunião, os participantes foram subdivididos em grupos com os seguintes eixos temáticos: Proteção da biodiversidade, Relações de trabalho, Rastreabilidade, Processos técnicos e Qualidade. Cada colegiado ficou responsável por analisar tópicos e/ou propor sugestões dentro das linhas temáticas propostas. Ao final do evento, foram apresentados os pontos suscetíveis de alterações, bem como direcionamentos para que tenhamos ações em prol da sustentabilidade do setor.

A ideia é que o manual seja um instrumento vivo, em constante aprimoramento, e que possa contribuir como uma importante fonte de consulta para todos os elos da cadeia.

Diálogos da Carnaúba

Os encontros “Diálogos da Carnaúba” teve papel fundamental na concepção da ideia do manual. Durante o evento, que percorre diversos municípios cearenses abordando a temática do extrativismo da cera, foram levantadas várias pautas de melhoramento do segmento. O incentivo à regularização trabalhista é um dos pontos mais debatidos nos encontros, bem como todo o esclarecimento sobre benefícios e documentações necessárias para que o trabalhador e produtor rural estejam sob o amparo da legislação trabalhista.

Outro ponto de destaque dos encontros é a evidência cada vez mais constante da espécie invasora “boca do leão”, ou comumente conhecida como “unha do diabo” que está se proliferando nos carnaubais da região. Além de privar outras plantas de luz e dióxido de carbono, a “unha do do diabo” pode cobrir o topo de árvores com sua pesada folhagem densa, sufocando-as. E uma das plantas mais atingidas por essa trepadeira é a icônica Carnaúba.

Para Sandino Moreira, Coordenador de Educação Ambiental da Associação Caatinga, “os resultados do ‘Diálogos’ vem sendo cada vez mais positivos, pautas pertinentes estão sendo levantadas, com medidas de melhorias já sendo executadas, como a aprovação do Manual”. Ressalta ainda que “a adesão dos atores é fundamental para que o Manual tenha legitimidade”.

Museu da Indústria

Na oportunidade, os participantes visitaram a exposição “Carnaúba – Árvore da Vida”, em cartaz no museu. A exposição conta a história da planta, seus usos e o papel no desenvolvimento do Ceará desde a década de 1940.

O Museu é um equipamento do Serviço Social da Indústria (SESI/CE) e tem como proposta valorizar e preservar as memórias de cinco séculos de desenvolvimento da história industrial cearense. É localizado no corredor histórico do Centro de Fortaleza e possui mais de 2 mil metros quadrados de área disponível, distribuídos em espaços diversos, voltados para ações museológicas e culturais em geral.