O Tatu-bola (Tolypeutes tricinctus) é a menor e menos conhecida espécie de tatu do Brasil. Vive na Caatinga e em algumas áreas do Cerrado. Por ser alvo de caçadores, encontra-se em perigo de extinção. Preocupada com o possível desaparecimento do Tatu-bola realizamos o Programa Tatu-bola.

O Programa tem como objetivo proteger tanto o tatu, como seu habitat. Ações para identificar locais de ocorrência atual do tatu-bola, propriedades rurais na Caatinga com potencial para a criação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN) e realizar oficinas de sensibilização junto aos proprietários rurais para que ajudem na proteção do animal. Estas áreas deverão contribuir para a redução da taxa de perda de habitat do Tatu-bola nos próximos cinco anos. Além disso, o Programa contribuirá ainda para a criação de corredores ecológicos na área de estudo, a conservação de inúmeras espécies de fauna e flora, a proteção de nascentes e demais recursos hídricos e ajudará na mitigação de efeitos potencializadores do aquecimento global e enfrentamento do processo de degradação e desertificação na Caatinga.

O projeto conta com um Plano de Ação Nacional para conservação (PAN), elaborado sob coordenação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e com o apoio da Associação Caatinga. Graças à parceria da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, a Associação Caatinga implementa as ações prioritárias previstas no PAN para a conservação do mamífero.

“A conservação do tatu-bola traz impactos positivos para as outras formas de vida existentes na Caatinga. A execução das ações do PAN torna possível também a conservação de inúmeras outras espécies raras, endêmicas ou ameaçadas dos biomas Caatinga e Cerrado, além de contribuir para a mitigação de efeitos potencializadores do aquecimento global, combater a degradação e desertificação”, afirma Samuel Portela, coordenador de áreas protegidas da Associação Caatinga.

Vem com a gente proteger nosso Tatu-Bola.