Inspirar
para cuidar

Sobre a Reserva

RESERVA NATURAL SERRA DAS ALMAS

Nossa história iniciou a partir da criação do Fundo para a Conservação da Caatinga, estabelecido por Samuel Johnson (in memoriam) para a proteção da Carnaúba, árvore símbolo dos estados do Ceará e Piauí. Com este propósito foi fundada em 1998 a Associação Caatinga, entidade não governamental e sem fins lucrativos. O nosso primeiro projeto foi constituir uma área preservada que viesse a proteger o habitat da Carnaúba. Esta área é a Reserva Natural Serra das Almas (RNSA), uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) localizada entre os municípios de Crateús (CE) e Buriti dos Montes (PI).

A RNSA é reconhecida, pela Unesco, como Posto Avançado da Reserva da Biosfera da Caatinga por abrigar uma representativa área de Caatinga preservada e pela sua interação com as comunidades rurais do seu entorno. São 6.300 hectares de área protegida que resguardam três nascentes, espécies ameaçadas de extinção e que contribui para a manutenção de serviços ambientais e ecossistêmicos. Atualmente as ações realizadas atingem 40 comunidades rurais.

A instituição tem atuado na execução de projetos socioambientais que promovem a proteção da Caatinga através do desenvolvimento local sustentável, a segurança hídrica, adaptação de comunidades rurais ao semiárido, o fomento à criação de novas unidades de conservação, o estimulo à pesquisa no bioma Caatinga, a restauração florestal de áreas degradadas, ações de educação ambiental e de comunicação voltadas para a valorização da Caatinga.

LOCALIZAÇÃO

A Reserva Natural Serra das Almas está localizada entre os municípios de Crateús-CE e Buriti dos Montes-PI. A sede da Reserva fica a 50 km da cidade de Crateús e o percurso é realizado em 1h20 se feito de carro. Já de Buriti dos Montes fica a 34,3 km e o percurso é realizado em 56 min (de carro). (Não fornecemos o translado)

Área: 6.300 hectares
Estados: Ceará e Piauí
Altitude: 290 a 750 metros
Criação: 08 de setembro de 2000
Clima: Tropical Quente Semiárido Brando
Vegetação: Caatinga Arbórea, Mata Seca e Carrasco
Coordenadas: 5°15’e 5°00’ Sul e 40°15’e 41°00’ Leste



ESTRUTURA

SEDE
A Sede está localizada na parte alta da Reserva (Planalto da Ibiapaba), onde se encontra o Centro de Interpretação Ambiental (CIA) Profa. Maria Angélica Figueiredo, que possui capacidade de hospedagem para até 36 pessoas e toda a estrutura é alimentada por energia solar. O espaço possui ainda refeitório, dormitório, laboratório, loja física, redário, exposição de réplicas de animais em tamanho real, espaço Caatinga e saída para as quatro principais trilhas ecológicas: Arapucas, Macacos, Lajeiro e Gameleira.

CENTRO ECOLÓGICO SAMUEL JOHNSON
Está situado na parte baixa da Reserva (Sertão de Crateús). Possui alojamento para 16 pessoas, refeitório, laboratório, auditório para 30 pessoas, torre de observação, viveiros de produção de mudas nativas, meliponário e duas trilhas ecológicas: Açude e Encosta. Também funciona como Centro de Difusão Ambiental, um espaço para exposição das tecnologias sustentáveis e de realização de cursos e palestras sobre o uso sustentável dos recursos naturais da Caatinga.

TRILHAS ECOLÓGICAS

TRILHA DAS ARAPUCAS
Possui 6,5km de extensão, considerada moderada e requer um bom preparo físico, apesar de não haver subidas íngremes e solo acidentado, atravessa a fitofisionomia da Mata Seca em estado avançado de regeneração nos pontos de maior altitude da Reserva (740 metros a nível do mar). No final da trilha há dois mirantes com vista panorâmica para o sertão de Crateús, uma das mais belas vistas da Unidade, onde se pode observar toda sua área localizada na depressão sertaneja e algumas das comunidades do seu entorno.

TRILHA DO LAJEIRO
Com extensão de 1,5km, sem subidas íngremes é considerada leve. Logo no início cruza o riacho Melancias e prossegue em direção à fitofisionomia Carrasco. A trilha proporciona a transição entre as diferentes fitofisionomias da Caatinga e de conhecer algumas plantas, espécies endêmicas (flora da Caatinga), com adaptações de sobrevivência na Caatinga. Ao final da trilha encontra-se o Lajeiro: um afloramento rochoso composto por rochas areníticas e pequenas ilhas de vegetação, onde se encontram cactáceas como o Xique-Xique e o Mandacaru, e bromeliáceas como a Macambira.

TRILHA DO AÇUDE
Com apenas 500 metros de extensão está localizada em uma depressão sertaneja. Tem início no Centro Ecológico Samuel Johnson e segue até o único açude da Reserva onde é possível observar uma grande diversidade de aves, principalmente no período chuvoso. Apresenta uma vegetação diferente da Mata Seca e Carrasco, contendo uma das mais belas árvores da nossa flora, a Carnaúba que é símbolo da nossa unidade de conservação.

TRILHA DOS MACACOS
Com 2km de extensão, possui piso irregular e lugares onde é necessário usar as mãos para equilíbrio. A trilha percorre uma parte do vale do riacho Melancias com um clima aconchegante, proporcionando sombra e a possibilidade de que a caminhada seja feita em qualquer horário do dia. Possui esse nome devido a facilidade de se encontrar macacos-prego em seu percurso. A vegetação típica encontrada é caracterizada como Mata Seca. As árvores são de grande porte e ao final da trilha há uma antiga casa de farinha, um espaço histórico. Essa trilha possui um mirante com alto nível de dificuldade, pois requer esforço para subida junto ao paredão de rocha da serra.

TRILHA DA ENCOSTA
Com 8km de extensão até convergir com a trilha das Arapucas, totalizando 11km. Atravessa uma exuberante floresta de Caatinga Arbórea com espécies típicas do sertão, passa pelo nosso meliponário e segue com uma caminhada leve até a escalada pela encosta do Planalto da Ibiapaba. É um caminho de alta dificuldade, com subidas íngremes e extensas. Durante a subida temos uma vista panorâmica incrível e pode-se observar a transição da vegetação, solo e clima, comparando as duas áreas em que a unidade está inserida (Serra e Sertão).

TRILHA DA GAMELEIRA
Possui 7,9km de extensão, é apropriada para o ciclismo (mountain bike). A trilha apresenta a fitofisionomia Mata Seca em toda a sua extensão. Ao final possui uma antiga casa de farinha e uma belíssima vista panorâmica. Essa trilha guarda uma surpresa sensacional, descendo a trilha de pedras da encosta, há uma imensa e frondosa gameleira, arvore centenária e a maior da região.

FLORA

A Caatinga é um bioma que ocorre apenas no nosso país. É detentora de uma rica biodiversidade com as mais variadas formas de vida, sendo inclusive algumas dessas endêmicas, ou seja, únicas da região.
Na Reserva Natural Serra das Almas foram registradas 323 espécies de plantas até o momento, distribuídas em três tipos de vegetação, que ocorrem conforme as características naturais do local: Caatinga Arbórea (árvores que chegam a alcançar 20 metros de altura), Carrasco (arbustos de caules finos e emaranhados) e Mata Seca (floresta alta que ocorre no topo e encosta das serras).

FAUNA

A Reserva também abriga várias espécies animais, inclusive algumas espécies endêmicas e ameaçadas de extinção. No último levantamento realizado foram encontradas 45 espécies de mamíferos, 237 de aves, 45 de répteis e 33 de anfíbios. Durante as trilhas é possível encontrar algumas dessas espécies, como por exemplo, o Periquito-do-sertão (Aratinga cactorum), o Bacurauzinho (Hydropsalis hirundinacea) e o Mocó (Kerodon rupestres) que são endêmicos, além do soins ou saguis (Callithrix jacchus), macacos-prego (Sapajus libidinosus), o cancão (Cyanocorax cyanopogon), dentre várias outras que podem ser observadas e contempladas.
COMO CONHECER A RESERVA NATURAL SERRA DAS ALMAS?

A reserva dispõe de guias (jovens condutores de trilhas) e está aberta para visitação todos os dias, mas é necessário agendar com, pelo menos, 4 dias antecedência, que pode ser realizado através do: (88) 3691.8671, whatsapp: (88) 99955.6570 ou e-mail: caatinga@acaatinga.org.br.

Google Maps
RPPN Reserva Natural Serra das Almas