Aprimorar a gestão e proporcionar a sustentabilidade financeira de áreas protegidas no Estado do Piauí.

O projeto ‘Conservação e Sustentabilidade Financeira no Parque Estadual do Cânion do Rio Poti’ foi elaborado com o intuito melhorar a gestão e proporcionar a sustentabilidade financeira de áreas legalmente protegidas no bioma Caatinga do estado do Piauí.

O projeto é realizado pela Associação Caatinga e financiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF) no âmbito do Projeto Estratégias de Conservação, Restauração e Manejo para a biodiversidade da Caatinga, Pampa e Pantanal (GEF Terrestre), que é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA) e tem o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) como agência implementadora e o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade – FUNBIO como agência executora.

Área de abrangência

O projeto abrangerá o estado do Piauí, mais especificamente a região do interior e entorno do Parque Estadual do Cânion do Rio Poti (PECRP), o qual encontra-se na sua totalidade inserido no município de Buriti dos Montes (PI).

Objetivos

Geral

  • Contribuir para o fortalecimento da conservação no Bioma Caatinga no Estado do Piauí, em especial, no Parque Estadual do Cânion do Rio Poti e seu entorno, por meio da elaboração do seu plano de sustentabilidade financeira e plano de manejo integrado do fogo.

Específicos

  • Elaborar o plano de sustentabilidade financeira do Parque Estadual do Cânion do Rio Poti (PECRP).
  • Elaborar o plano de manejo integrado do fogo.
  • Capacitar comunidades locais sobre práticas de manejo integrado do fogo na área do PECRP.
  • Realizar ações de educação ambiental para promover a conscientização e engajamento das comunidades locais.
  • Realizar ações de comunicação para divulgação do projeto.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Garantir a disponibilidade e a gestão sustentável da água potável e do saneamento para todos
Adotar medidas urgentes para combater as alterações climáticas e os seus impactos
Proteger, restaurar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, travar e reverter a degradação dos solos e travar a perda da biodiversidade