Dia Mundial das Abelhas | Você sabe qual a importância das abelhas?
dia-mundial-das-abelhas-caatinga-abelhas-nativas-destaque.png

Você sabe qual a importância das abelhas?

Você já parou para pensar no que aconteceria se as abelhas simplesmente desaparecessem? A extinção desse pequeno inseto provavelmente afetaria todo equilíbrio do planeta. Elas são essenciais para a manutenção da biodiversidade, a produção de alimentos e a vida humana, assumindo  grande importância na manutenção da vida no planeta. 

A principal função executada pelas abelhas é a polinização. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), elas são responsáveis por 73% da polinização das plantas cultivadas. Através desse serviço ambiental, elas atuam na regeneração das florestas e da biodiversidade, tendo ainda importância fundamental na alimentação humana e proporcionando a existência de muitos alimentos presentes em nosso cotidiano.

Contudo, impactos ambientais como o desmatamento, as queimadas, o uso de pesticidas e agrotóxicos, o aquecimento global e as alterações climáticas estão devastando as populações deste inseto. Caso não haja abelhas, toda a cadeia alimentar poderá ser afetada. 

Portanto, visando essa importância, a ONU estabeleceu o dia 20 de maio como o Dia Mundial das Abelhas. Essa data foi proclamada em Assembleia Geral e tem como objetivo fomentar a conscientização sobre a importância das abelhas e de outros polinizadores, além de sua contribuição para o desenvolvimento sustentável.

Abelhas nativas da Caatinga 

Estima-se que há cerca de 3.000 espécies de abelhas só no Brasil. Dentre estas, 94 ocorrem na Caatinga e 30 são endêmicas deste bioma. As abelhas nativas da Caatinga estão bem distantes do estereótipo de abelha que conhecemos. Diferente da espécie africanizada, uma híbrida fruto da mistura de variedades europeias e da África, as abelhas locais são menores e mais escuras, variando entre tons de marrom e preto. 

Um exemplo de abelha nativa e endêmica é a Jandaíra (Melipona subnitida). Sozinha, ela poliniza cerca de 30% a 60% das plantas da Caatinga, Pantanal e parte da Mata Atlântica. A espécie contribui para a manutenção da flora do bioma, uma vez que é seletiva e poliniza apenas espécies vegetais nativas. No entanto, mesmo diante de tanta importância, as meliponas estão ameaçadas. Estima-se que aproximadamente um terço da espécie está em extinção.

As Jandaíras também têm um papel forte na economia das famílias. Por serem dóceis, sem ferrão e de fácil manejo, o seu processo de cultivo dispensa o uso de equipamentos de proteção e é muito inclusivo, podendo contar com a participação de crianças e idosos. Seu mel é considerado nutritivamente superior ao mel comum e possui aplicações na medicina caseira do Nordeste. Em condições favoráveis de clima, um enxame produz até 1,5 litro de mel por ano. Esse mel chega a ser vendido por R$120 o litro e constitui, assim, além de todo benefício ecológico, uma importante fonte financeira.

No Clima da Caatinga 

A Associação Caatinga, por meio do projeto “No Clima da Caatinga (NCC)”, ao longo de dez anos, já favoreceu mais de 3.000 famílias de 40 comunidades do Ceará e do Piauí. O projeto atua em três linhas principais: biodiversidade e sociodiversidade, floresta e clima, e água. Durante o período de existência, mais de 1.500 pessoas já receberam capacitação em tecnologias sustentáveis e mais de 500 educadores passaram por ações de Educação Ambiental envolvendo mais de 20 mil alunos.

O NCC já distribuiu quase 200 colônias de Jandaíras em comunidades, visando o fomento da preservação da espécie e do incremento na renda dessas famílias de modo sustentável. Ao longo desse processo, cerca de 282 pessoas receberam a devida capacitação para manejar as abelhas.

Texto por Aidee Araújo de Oliveira e Najila Victória Monteiro Silva.