AC finaliza projeto de conservação em parceria com Fundação Grupo Boticário, veja os resultados

AC finaliza projeto de conservação em parceria com Fundação Grupo Boticário, veja os resultados

A Associação Caatinga finalizou, no mês de agosto, o projeto RPPN: Conservação Voluntária Gerando Serviços Ambientais – Fase 2. A iniciativa, que foi elaborada em parceria com a Fundação Grupo Boticário, realizou, desde 2019, ações de conservação no semiárido cearense.

O projeto atuou por meio de duas linhas de trabalho. A primeira focou na criação de unidades de conservação privadas, as chamadas Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN).Já a segunda linha destacou a gestão e a manutenção da Reserva Natural Serra das Almas (RNSA), unidade de conservação gerida pela Associação Caatinga há 21 anos. 

Samuel Portela, biólogo e coordenador técnico da Associação Caatinga, explica que “com o apoio da Fundação Grupo Boticário foi possível priorizar a criação de novas RPPNs e fortalecer a gestão da RPPN Reserva Natural Serra das Almas e, desta forma, promover a conservação dos poucos fragmentos florestais ainda existentes no Ceará”.

Gestão e manutenção da Reserva Natural Serra das Almas

Dentre os resultados finais do projeto está a criação do primeiro Guia de Aves da Reserva Natural Serra das Almas. O material conta com 230 espécies e será lançado em setembro. 

Durante a execução do projeto, a equipe da Associação Caatinga também realizou adaptações técnicas em trilhas ecológicas da RNSA para garantir acessibilidade para portadores de deficiências físicas. 

Outro ponto do projeto foi a manutenção de 5 quilômetros de cercas e de aceiros na RNSA (aceiro é o corte de uma faixa de terra em volta de propriedades). A ideia é prevenir incêndios florestais dentro da unidade de conservação. Também foram adquiridas 35 perneiras (equipamentos de proteção individual) e 4 novas armadilhas fotográficas (câmeras ativadas por sensores de movimento e de calor) para monitoramento da fauna silvestre da área. 

Além disso, a iniciativa ampliou o sistema de energia solar da unidade de conservação. Desde março de 2020, a Associação Caatinga produz a própria energia e investe as economias em ações ecossistêmicas em defesa do semiárido. Ademais, o projeto propiciou a construção de dois canteiros biosépticos dentro da RNSA. Os equipamentos funcionam como sistemas de saneamento para a água que vem de vasos sanitários.

Criação de RPPNs

Durante a segunda e a primeira fase do projeto RPPN: Conservação Voluntária Gerando Serviços Ambientais, a Associação Caatinga criou três Reservas Particulares do Patrimônio Natural no Ceará. Trata-se da RPPN Buriti Águas Naturais, da RPPN Sítio Lagoa e da RPPN Fazenda Fonseca – Heloísa e Maurício Holanda. Ao total, as áreas abrangem mais de 300 hectares de Caatinga legalmente protegida.

A RPPN Buriti Águas Naturais possui dez hectares de extensão e está localizada no município de Santana do Cariri (CE). Já a RPPN Sítio Lagoa, situada em Guaramiranga (CE), cobre 70 hectares de Caatinga preservada e, por fim, a RPPN Fazenda Fonseca possui 226,20 hectares e está localizada em Quixadá (CE).

Além disso, ainda está prevista a criação de mais uma unidade de conservação privada para o estado do Ceará: a RPPN Rosa da Serra com 56,8 hectares, no município de São Benedito (CE). O processo de criação da unidade de conservação está em fase final, podendo ser criada ainda este mês.